a (29)

Que som é esse?

Publicado por Fonaudio em 01 de janeiro de 2021

Que som é esse? É possível que algum momento da vida, você tenha ouvido uma palavra e entendido outra, certa? Isso pode ser comum na vida adulta, mas em crianças essa dificuldade pode ser um sinal dificuldade na discriminação auditiva. Você sabe o que ela quer dizer?

A discriminação auditiva representa um aspecto fundamental para a produção correta dos sons da fala. É essa a habilidade que permite a diferenciação desses sons para o indivíduo. Para que sejam discriminados uns dos outros, a criança deve aprender ruídos específicos, além da necessidade de condições orgânicas para que os fonemas possam ser diferenciados. Dessa forma, os neurônios auditivos podem ser ajustados para que as diferenças acústicas sejam maximizadas no cérebro, facilitando o processo de discernimento. No entanto, uma alteração nessa habilidade pode contribuir para o desenvolvimento de desvios na fala.

A discriminação auditiva classifica e distingue os sons uns dos outros, a frequência e a intensidade. (Reprodução/Freepik)

De acordo com estudos, é por volta dos 5 anos que a criança está ”apta” a fazer o uso apropriado dos sons de sua língua materna. Contudo, nesse processo, é comum notar em crianças mais velhas uma dificuldade a nível fonológico, o que não caracteriza transtorno dos sons da fala (DF), no entanto, apontam que a ausência de habilidade em discriminar auditivamente a acústica pode ser um fator causal ou agravante desse transtorno.

Existe relação entre os desvios da fala e a dificuldade em discriminar fonemas?

Sim. No estudo dirigido pelo Programa de Pós-Graduação em Distúrbios da Comunicação Humana da Universidade Federal de Santa Maria, a amostra formada por 82 crianças com desvio de fala, de ambos os gêneros e com idades entre 4 e 7 anos, investigou-se a relação entre os DF’s e a dificuldade na discriminação auditiva. O teste foi aplicado de forma individual e observou a capacidade de distinção da criança em relação à sonoridade do fonema. De acordo com o desempenho no teste, a pesquisa revelou que 31 crianças (38% da amostra) apresentaram resultados insatisfatórios. Os números encontrados concordam com outro estudo, que sugeria a discriminação auditiva como fator relevante para o processo de desenvolvimento normal da linguagem. Além disso, verificou-se que a idade tem papel importante nessa diferenciação, visto que, q1uanto maior a idade, maior a habilidade de distinção dos fonemas.

A seguir, confira algumas dicas para ajudar os seus filhos a diferenciar os sons:

  1. Quando estiver em casa, reúna objetos que produzam sons distintos, como folhas de papel, zíperes, apitos, panelas, plásticos etc. A criança, com os olhos fechados, deve adivinhar a ordem e o objeto que originou determinado som.
  2. Invente palavras e peça para a criança repetir uma de cada vez. Essa brincadeira estimula a atenção e a memória, uma vez que ela deverá estar atentar à sequência para memorizar e reproduzir.
  3. Que tal oferecer audiobooks (audiolivros) ao invés de livros impressos? A concentração na audição sem vídeo é um excelente treino!
Criança com a mão no rosto. (Reprodução/Freepik)

Percebeu como é importante consultar o fonoaudiólogo? A avaliação da distinção auditiva em crianças é importante e certamente contribui para o planejamento terapêutico adequado!

Leia também

download

Perda auditiva x Demência

LER MAIS

a (2)

Zumbido no ouvido – Causas, prevenção e tratamento

LER MAIS

a (1)

Cuidado auditivo diretamente do conforto e segurança da sua casa

LER MAIS